Velharias, porquê e como?

June 17, 2019

(Velharias entenda-se,  peças antigas, coisas do lixo, heranças etc... )

 

E ainda, as minhas peçam preferidas cá de casa!

E por onde começar ? 

Talvez começar pelo mais importante, porque devemos, de uma preceptiva mais consciente comprar usar peças antigas de mobiliário? 

- sustentabilidade; 
- personalidade; 
- diferenciação; 


É verdade que está na moda, e fica bem no instagram dizer que se vai à feira da ladra ou às velharias do bairro, mas este '' modo de vida'' é mais que isso. 


Na verdade, acho que de certa forma estas modas são sempre positivas para dar força a industrias mais pequenas, negócios de rua e neste caso dar uma certa rotatividade e valor a comércios de velharias que durante muito tempo foram atropelados pelas lojas de móveis a metro. 

A maior parte das peças que encontramos em velharias, são peças que são bem fabricadas, muitas delas até à mão, com boas matérias-primas e desenhadas para durarem anos.

Claro que se encontra muita tralha, mas é preciso saber escolher e acima de tudo ir de mente bem aberta.  

 

Eu tenho uma espécie de mantra quando ando nestas compras, algumas regras que me balizam e ajudam a pensar de forma fria quando estou com vontade de levar tudo e que aprendi a meu próprio custo, mas já que aprendi ao menos partilho. 

De alguma forma espero ajudar quem tem este bichinho por peças vintage a tomar as melhores decisões e não levar nada a mais e muito menos não levar e arrepender-se mais tarde. (quantas vezes já aconteceu?)

 

 



1. A preparação. 

Quando vamos às compras do mês com fome, só fazemos asneiras, quando vamos a uma loja dos 300 gastamos 2000. É tão certo como eu me chamar Maria. Faz parte de quase todos os seres humanos, aquela sensação de ''é barato levo 2'' ou '' tenho fome tudo me apetece''. 
A ideia na preparação de uma ida às compras nas velharias, armazéns e mesmo no olx é fazer uma selecção mental daquilo que realmente precisamos, para quê e porquê.  

 

 

2. Até onde estou disposto a ir. 

A maioria das peças que se encontra nestes locais são peças muito antigas e velhas, não quer dizer que não sejam boas mas quer dizer que quase de certeza que precisam de algum tipo de arranjo. Agora, sejamos realistas, quer imenso uma cadeira, mas está disposta a pagar o valor de a forrar e restaurar? Adora a mesa, mas falta um pé, o valor do restauro está dentro do seu budget?
Ao contrário das lojas normais onde olhamos para um preço que será o final, aqui temos que pensar que apesar de baratas estas peças requerem ainda alguns cuidados. O mesmo se aplica a peças que encontramos no lixo, mesmo que sejam ''dadas'' existe sempre um valor extra associado para que a peça fique pronta a usar.  

3. Dinheiro, pff. 

Feiras, lojas de velharias, olx da vida, em quase tudo lembre-se sempre de levar dinheiro. 
Numa feira o facto de ter dinheiro ''vivo'' no bolso pode ser um factor chave para não perder uma peça que adorou.  


4. É vendável? É versátil? OK, levo. 

Este é um dos meus maiores truques, se não o maior.  
Quando em dúvida em relação a uma peça eu questiono-me sempre, se a peça poderá ser revendida depois de restaurada ou se é uma peça que eu consiga usar em qual quer área da casa! Estas duas perguntas vão me ajudar a identificar se a peça em questão é uma compra impulsiva de algo que está na moda de forma momentânea ou se é algo que eu sei que pode ser uma mais-valia para mim.  


5. Pesquisar e editar 
´ 
É provavelmente a parte mais intuitiva de todas, o saber entrar num espaço cheio e saber procurar e olhar com olhos de ''editor'' para concluir que a peça vale, ou não. 
Isto não se ensina, mas treina-se. Muitas vezes levaremos coisas por impulso e não vamos usar, outras arrependemo-nos de levar e depois é tarde de mais. Mas com estas experiências vamos começar a perceber o que de facto temos ou não que procurar e o que funciona ou não nas nossas casas.  


6. DIY e/ou Bons contactos 

Seja novo, barato ou vintage, cada peça deve estar perfeitamente dentro daquilo que imaginou.  Mas para modificações simples ou complexas é preciso que alguém as faça. 
Podem arriscar e pesquisar no youtube como faze-las sozinhos ou então o ideal é ter bons contactos de pessoas como carpinteiros, estufadores etc..

Não tendo e ainda não estando disposto a optar por DIY secalhar é melhor procurar peças já prontas a usar!

 

 

Mas além das dicas práticas resolvi mostrar-vos também as peças mais giras que tenho cá por casa e que são prova que de facto vale a pena procurar em lojas alternativas, parar quando vemos alguma coisa gira no lixo, ou aceitar aquelas peças das avós que ninguém quer.  

Na prática escolher as preferidas, não é fácil, uma vez que cá em casa provavelmente mais de 50% da casa são itens da categoria :  lixo/ achados / heranças! 

Ainda assim, há sem dúvida umas que se destacam a olhos vistos! Querem ver quais são? 
 

________________________________


A secretária Olaio 


Quando a Leonor entrou para o primeiro ano, achei que fazia sentido assinalar o acontecimento com uma mudança no quarto dela.  
Na altura (ainda vivíamos na outra casa) alias fizemos um post no antigo blog sobre isto, o quarto da Leonor era um dos maiores casa e ela tinha espaço para uma zona de estudo. 

Depois de correr todas as lojas que possam imaginar, daquelas que todas conhecemos, porque achava que não tinha budget para mais nada, resolvi mergulhar no OLX na esperança de encontrar alguma coisa gira, barata e com alguma alma, coisa que as outras lojas não tinham.  
Em 30 minutos de pesquisa, consegui encontrar combinar e fechar negocio com o dono desta mesa. 
Custou me 30€ e fui busca-la a 2 km de minha casa.  
Estava riscada no tampo mas consegui resolver com uma lixadela e os pés estão um pouco velhos e gastos em baixo, mas custou 30€ e o único trabalho que fiz foi lixar e dar verniz.  

Hoje está no quarto de brincar, com uma cadeira que apanhei uns meses depois no lixo, só limpeiestava no estado em que vêem.  
O globo, foi comprado numas velharias na Ericeira por 20€ e funciona! 

 

 

A mesa de costura da Tia-Bisavó Preciosa

 

E sim, antes que perguntem era mesmo o nome dela.

A mesa de costura Singer, que era provavelmente em tempos grande companheira da minha tia, ia acabar no lixo. 

Eu percebo que hoje em dia ninguém costure e além disso ela não está em perfeitas condições, ainda que tenha tudo até os acessórios e livro de instruções, falta lhe parte da folha de madeira do tampo.

 

Mas, apaixonei-me. Como é que tal peça poderia ir para o lixo?

Foi então que agarrei nela, dei-lhe uma bela limpeza e muito óleo nas madeiras, encontrei lhe um canto e um propósito - é o nosso bar!

 

 

 

 

 

O balde do gelo, o tabuleiro e outras coisas que tais. 

 

 

Pois não é só o bar que é um achado, em cima temos um balde de gelo vintage que comprei na Remar (loja de segunda mão que é um projecto solidário). Custou me 3€.

Também da remar é o tabuleiro em metal com banho de ''cobre'' que faz parte de um conjunto completo de chá, 10€ e as taças de champanhe em cima custaram 1€ cada uma também na mesma loja. 

 

Ah já agora, estão a ver essa cadeira branca? É do lixo. Paguei 25€ para forrar e limpar, não estavam degradadas nem estragadas e eram um par. 

 

 

 

 

 

A cadeira nórdica. 

Uma das minhas melhores compras até hoje, adoro é talvez uma das minhas peças preferidas. 
Via uma vez numa loja de velharias em Sintra e adorei. Mas não tinha bebés nessa altura. 
Passados uma ano e qual quer coisa entrei na loja tinha a Luísa 1 mês. Já nem me lembrava da cadeira. Comecei a escavar entre pilhas e pilhas de peças que vão do chão até ao tecto, quando finalmente esbarrei de frente com ela. Nem acreditei, como é que uma peça destas ainda ali estava.  

O preço era 70€, nórdica anos 70, uma marca boa ainda com a estampa em baixo. 
Consegui negociar e levei-a por 45€. 
É linda e única. Adoro. 

 

 

 

 

A chaise lounge dos meus sonhos.  

 A coisas que não se explicam, esta chaise lounge é uma delas.  
Quando nos mudamos sabia que a estrutura das salas pedia por uma peça única, uma coisa leve que desse apoio na sala para sentar mais pessoas, mas que não fosse ''aquele par de cadeirinhas iguais'' que já não se aguenta.  


Sonhei com uma chaise lounge, com linhas clean com um formato versátil. Mas o sonho era caro e mesmo o que havia à venda não me enchia as medidas. Desisti.  

Há dois meses atrás, passei por uma loja de rua de velharias e la estava ela e ainda por cima em perfeitas condições, forrada com um veludo amarelo mostrada, que mais poderia pedir? 

Ao analisar bem, ainda percebi que o assento levanta e tem arrumação, não havia melhor! 

O preço 50€!!

 

 

 

 

O lixo de uns é o tesouro de outros.

 

E as próximas peças são a representação viva disso.

 

Em baixo esta cadeira linda, apanhei-a no lixo há 3 anos, estava impecável, era forrada em napa branca que substitui por veludo verde. 

 

 

Em baixo sobre um repousa pés, uma lasca de mármore que recuperei de uma obra, e fica lindo como peça decorativa!

 

 

 Esta mesa não chegou a ir para o lixo, era do meu sogro, mas ia. Eu recuperei e apesar de ser muito diferente do meu ''estilo'' acho que fica lindo na sala.  

 

 

 

 

A secretária da escola primária.  


A última peça representa de longe a melhor compra em termos peça-preço. 
Foi numa feira de rua que encontrei o recheio de uma escola inteira, não consegui comprar quase nada porque estava tudo vendido, mas amei esta míni secretária mais o banco de apoio. Custou em 5€ cada peça. 

 

 

 

Estas são algumas, das muitas peças que hoje partilho.

Tenho mais e com tempo ei de mostrar mas o meu maior objectivo com este post é mesmo desmistificar que o uso de peças antigas é meio caminho andado para ''envelhecer'' a nossa casa, porque não é! É sim trazer alma, vida e história!

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Paris, o que vem, o que vai e o que fica.

January 27, 2019

1/10